FIQUE LIGADO

BLOG

“Não são doentes, são crianças, verdadeiros super-heróis na sua luta”

Raffcom Agência / 12 de novembro de 2021

Magda Pinheiro*

O pequeno Thiago havia acabado de passar por uma cirurgia. Diagnosticado com câncer no cérebro, não podia sentar-se nem ficar em pé. Tirei sua foto deitado, ele estava vestido de Homem-Aranha, seu herói preferido, o pai segurava sua cabecinha. Quando estava editando o material, meu filho, criança como ele, perguntou: “Mãe, por que você não gira essa foto? Vai parecer que ele está saltando”.

Foi um salto para vida.

Sou fotógrafa profissional, sei o quanto a fotografia é capaz de mexer com a autoestima das pessoas. Como Thiago, reuni crianças em tratamento de câncer. A ideia surgiu depois de eu ter feito um ensaio fotográfico com mulheres que lutavam contra a doença. Mulheres que perderam os cabelos, que sofriam não apenas com a dor daquele momento, mas com a sua nova aparência. Deus tocou meu coração que eu deveria fazer algo que pudesse levar um momento de alívio, que elas enxergassem aquela situação como uma nova experiência e não como algo ruim.

Por que, então, não fazer o mesmo com crianças?

Mas eu queria fazer mais do que uma exposição fotográfica, queria que as pessoas que não passam por um problema grave como esse entendam que essas crianças, são anjos, estavam atravessando um momento tão delicado, mas estavam ali, com a sua pureza, a sua alegria. Eu queria que essa exposição tocasse o coração de todos, que as pessoas valorizassem o que têm na vida, não ficassem só reclamando de problemas que muitas vezes não têm a menor importância.

Coloquei a ideia nas redes sociais, pais de crianças me procuraram, espontaneamente, fui cadastrando cada uma, a sua história. Quando vi, o projeto estava tomando proporção muito grande. Queria fazer do ensaio, um dia especial para essas crianças e suas famílias, eu vi que elas estavam vivendo só em hospitais, afastadas da vida normal, ou quando iam a lugares públicos eram olhadas de um jeito diferente. Eu queria que esses pequenos não se vissem como doentes, mas apenas como crianças. Queria fazer as fotos com todos juntos, um dia especial, em que eles se transformassem em super-heróis. E é isso que eles são em sua luta.

Muita gente se interessou, se mobilizou, numa corrente de solidariedade. Empresas fizeram doações. No dia do ensaio tinham umas 60 pessoas entre famílias, crianças, voluntários que ajudavam. Eu me vesti de Mulher Maravilha e as pequenininhas acreditavam que eu era a Mulher Maravilha, a gente brincava no balaço, no pula-pula. As crianças se divertiam e os adultos se emocionavam. Não tinha tristeza ali. Eu recebi várias mensagens, pais que ficaram encantados, diziam: “Eu nunca vi meu filho tão feliz, fazia tempo que não via ele se divertindo, brincando”. Foi muito lindo de se ver.

Me lembro que tinha uma menina que não queria ir à escola, porque estava sem cabelo, os amiguinhos tiravam sarro dela, da aparência dela, e a mãe dela chorando, dizendo que ali ela se sentia bem, estava feliz, se sentia igual. E isso foi o mais tocante para mim. Ver que as crianças, mesmo doentes, podem estar com uma sentença de morte, continuam a ser crianças, têm uma força dentro delas para lidar com a situação, para sorrir, ainda que num momento difícil em que predominam o choro e a dor.

No dia da abertura da exposição, Thiago estava internado, passando por uma nova cirurgia. Foram só o pai e um irmãozinho. O pai, chorando, contou que o médico havia dito que o menino poderia não acordar daquela vez, tão delicado era o procedimento. Mas um ano depois veio a boa notícia: ele estava curado, brincava, mostrava para todo mundo a revista que saiu com a sua foto de Homem-Aranha. Tinha o maior orgulho daquilo.

Isso tudo foi antes da pandemia. Quero retomar essa ideia agora. Poder levar alegria a quem lida com a dor é uma benção divina, não tem como explicar. Com projetos como esse, a gente não pode curar a doença, mas pode valorizar a vida, recuperando a autoestima de quem vive um momento de dor. Cada um, do seu jeito, dentro da sua área, pode fazer a alguma coisa. E isso não há dinheiro que pague. Aproveite esse Novembro Dourado, faça você também a sua parte.

Magda Pinheiro é fotógrafa, tem estúdio em São José do Rio Preto (SP) e é a idealizadora do projeto Beleza sem Moldura Kids, com ensaio fotográfico de crianças com câncer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *