FIQUE LIGADO

BLOG

Como evitar o ciúme do filho mais velho com a chegada de um bebê

Raffcom Agência / 1 de junho de 2022

A notícia de uma gravidez sempre é motivo de alegria. O nascimento de uma criança, então, é momento de comemoração para toda a família. Mas é inegável que a chegada de um bebê provoca grandes mudanças no dia a dia da casa e nos relacionamentos familiares. Um novo filho exige cuidados especiais do papai e da mamãe, necessita de mais atenção, durante todo o tempo. E isso, não raramente, incomoda os filhos mais velhos.

O ciúme é um sentimento comum em situações como essa. Especialmente no nascimento do segundo filho. Os cuidados dedicados ao bebê despertam no mais velho uma sensação de rejeição, como se tivesse perdido o amor dos pais. E, soma-se a isso, o medo de perder espaço, de ter de dividir não apenas o carinho, mas o quarto de dormir, os brinquedos e tudo aquilo que faz parte de seu universo.

O que é importante nessa hora é os pais estarem atentos a essas manifestações de ciúmes. A mais comum – além da fazer manha – é um “retrocesso” comportamental, quando a criança volta a pedir a ajuda para tarefas simples em que já havia conquista sua autonomia, como comer com as próprias mãos, limpar o bumbum depois de ir ao banheiro, tomar banho ou se vestir.  Paciência e não repreensão é a melhor coisa a se fazer nessa hora.

Mas o que você pode fazer para evitar o ciúme do filho mais velho com o nascimento do irmãozinho? O segredo é fazer com que ele não se sinta renegado a um segundo plano, muito ao contrário, seja parte desse novo momento na vida da família. E para te ajudar, preparamos aqui cinco dicas. Veja só:

Peça ajuda para cuidar do irmão

Essa é uma regrinha básica para combater o ciúme: envolva o irmão mais velho em tarefas como dar mamadeira ou papinha na boca – sempre com a supervisão de um adulto, é claro – escolher a roupa para passear no parque, cantar a cantiga de ninar ou contar uma historinha. Isso fará com que ele se considere valorizado por você, além de reforçar os laços de união da família.

Valorize a amizade

Manter o diálogo com o filho mais velho, desde o período da gravidez, é fundamental. Cabe aos pais explicar a ele que o bebê é parte da família, que não veio para tomar o lugar de ninguém. Use o seu exemplo, fale da sua amizade pelos seus irmãos, do quanto brincaram na infância, do quanto se gostam.  E na medida em que os dois forem crescendo, faça com que um participe das conquistas e das dores do outro. Comemorar e amparar vai torná-los cada vez mais unidos.

Dedique tempo ao mais velho

Cuidar de um bebê é uma delícia. Mas também muito cansativo, não é mesmo? Normalmente, o momento em que os pequenos pegam naquele soninho é a hora que a mamãe aproveita para descansar ou cuidar de suas próprias coisas. E com toda razão! Mas esse é um bom momento também para dedicar atenção ao filho mais velho. Conversar, dar um colo ou um ombro para ele recostar, ajudar nas lições da escola, contar uma história ou simplesmente ficar junto. Sempre que puder, leve-o para um passeio, fazer o programa preferido dele, comprar um sorvete ou uma pipoca. Tudo isso parece pouco, mas para ele vai ser muito.

Divida igualmente as tarefas

Na medida em que os pequenos crescem, trate os dois de maneira igualitária. Tarefas do dia a dia como guardar os brinquedos no lugar, devem ser compartilhadas, estabelecer um rodízio entre eles, por exemplo, é um bom caminho. Tome cuidado em alternar no cardápio das refeições os pratos preferidos de cada um, em programar nos fins de semana atividades que são de gosto dos dois – ou atender cada vez a vontade de um.  Isso vai evitar que um ache o outro “o filho favorito”, uma situação muito comum entre um e outro.

Não faça comparações

Por fim, uma dica que vale para lidar com os filhos, seja qual for a idade deles: nunca faça comparações entre um e outro. Sim, você não precisa criticar um filho para elogiar o outro. Retire do seu vocabulário expressões como “faça direito como seu irmão”, “olha as notas do seu irmão”, “seu irmão faz tudo muito mais rápido”, por exemplo. Lembre-se que filhos não são iguais, cada um tem suas habilidades, suas características, suas virtudes e seus defeitos. E que comparações podem provocar rivalidades e, mais do que isso, destruir a autoestima de um ou de outro.

Lidar com toda essa situação, até pode ser difícil não é mesmo? Mas nada de se estressar. Lembre-se que tudo isso não passa de uma fase, e que não medida em que os pequenos crescerem o que vai predominar entre eles é o respeito, o companheirismo e muito carinho.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.