Brinquedos que eternizam história

28 de fevereiro de 2018 -

Quando eu tinha sete anos, ganhei da minha primeira professora um jogo da memória. Não lembro se foi por algum merecimento escolar ou se foi presente da turma pela minha despedida, pois eu mudaria de cidade no fim daquele ano. Mas, o mais incrível é que eu ainda tenho esse brinquedo e hoje posso compartilhar essa história com meus filhos.

Minha filha, de apenas três anos, está aprendendo a brincar de jogo da memória com o meu próprio jogo. Ele não é de nenhum personagem famoso, na verdade, está bem desgastado e sujinho. Eu guardo ele com o maior carinho e acho muito legal que os meus filhos possam brincar também.

Assim como eu, vocês também devem ter na memória alguns brinquedos com os quais vocês se divertiam, quem sabe alguns os seus filhos têm o privilégio de compartilhar ainda. Os brinquedos têm esse poder, eles impactam a vida de uma criança.

Dizem que cada vez mais tudo está descartável, inclusive os eletrodomésticos e celulares, não é mesmo?! Está muito mais fácil comprar um novo do que reutilizar ou mandar consertar. Mas, acredito que assim como fomos impactados por brinquedos que tivemos ou não (eu lembro de um rádio vermelho da Gradiente que vinha com microfone, era meu sonho de consumo), também podemos gerar esse tipo de histórias na vida das nossas crianças.

Eles não precisam ter todos os brinquedos para serem felizes, as crianças são criativas e se permitirmos elas podem aproveitar para brincar da maneira “certinha”, ou então incentivá-los a explorar e criar diferentes brincadeiras com os mesmos brinquedos.

Por exemplo, o Lelê Fun Calesita serve para encaixar as peças e melhorar a coordenação motora da criança, e ela pode aproveitá-lo na praia, piscina ou no banho mesmo. Quanto mais a criança puder explorar o brinquedo, mais histórias ela poderá contar quando ficar grande. Ou então, quando um brinquedo passa de um filho para o outro e vai para o primo e continua numa cadência não só porque o brinquedo é resistente e tem boa durabilidade, mas porque ele é útil e ajuda no desenvolvimento das crianças.

Se você ainda tem seus brinquedos, compartilhe as histórias que você viveu com eles, deixe seu filho também criar histórias com os brinquedos que pertenceram a você. Sente no chão da sala e traga os brinquedos que ele gosta de brincar e volte a ser criança, eternize na memória dele sua presença, os brinquedos dele e as boas histórias que vocês dois vão criar.

Karin Petermann Produtora de conteúdo no site Mamãe & Cia, 31 anos - casada há 11 anos.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *