Todo mundo tem um palpite sobre como criar seu filho: nada disso importa desde que tenha afeto

16 de novembro de 2018 -

Que horas acordar, que horas dormir, como adormecer sozinho, como largar a chupeta, como desfraldar, como não fazer pirraça. Parece que as pessoas têm um manual de instruções não é mesmo?! Há três anos sou mãe do Bento. Li bastante coisa e ouvi muitas pessoas, mas percebi que cada mãe ou pai terá a sua descoberta. A sua forma de interação com seu filho, sua história de vida e a sua história com o seu filho. Isso tudo vai moldar a forma como vai educar o pequeno. Não é uma receita de bolo, não é uma página de livro, até porque cada criança é uma criança, tem a sua particularidade, o seu jeito de ser e lidar com as situações e, portanto, a forma de criar não pode ser engessada.

O afeto vai dar o tom de tudo, vai direcionar o caminho, vai polir suas palavras e atitudes! Eu diria que a intuição e o afeto serão seus aliados na forma de criar. Você pode fazer absolutamente tudo o que manda o livro, ou os palpiteiros. Mas acredite, se não houver afeto, olhos nos olhos, toque, a criança não conectará com você. É preciso amor para educar, não precisamos apenas de regras.

Quando você está perdido no meio de como educar, passando por situações de pirraça ou choro, você se sente confuso. É importante buscar ajuda, conversar com pessoas da sua confiança, ler material de qualidade, ouvir psicólogos se for o caso, mas se lembre do afeto, do amor, da força que os unem.

Lembre-se que se bater, está ensinando exatamente o que não quer, se gritar, está ensinando a gritar, ser firme e contundente nas palavras é uma coisa, mas gritar e ser agressivo é outra. Palavras de amor, de acalento e empatia podem mudar tudo, podem direcionar a relação de vocês para o campo do respeito e é isso o que desejamos.

Palpites fazem parte da nossa vida, mas não é por isso que tem que ser maravilhoso né. Lidar com eles é importante, filtrar até alguma informação bacana, mas não inserir tudo. Ouça seu coração principalmente.

É importante lembrar de usar frases como: filho sei o que está sentindo, vamos conversar? Sei que está triste, mas já é hora de dormir, entendo que está doendo mas estamos ao seu lado. O ambiente da empatia muda todo o rumo na forma de criar um filho. E lembre-se principalmente que o amor e a intuição serão seus parceiros para toda uma vida no campo da educação.

 

Confira também este texto que a Hamanda Garcia escreveu sobre as lições que ela aprendeu com o filho Bento.

Hamanda Garcia Sou Hamanda, mãe do Bento, enfermeira do INCA, mestre pela UFF, autora do blog We Mães.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *